14 de janeiro de 2016

Azeitona Curtida da Dona Gina

A mãe de meu amigo Juju faz estas azeitonas temperadas e realmente elas ficam incríveis. Comi pela primeira vez na casa dele, no ano novo.

Ingredientes

- Duas xícaras de azeitonas verdes sem caroço

- Três dentes de alho esmagados

- Uma colher de chá de cuminho em pó

- Suco de 2 limões

A primeira coisa que fiz foi deixar as azeitonas de molho em água gelada, para tirar um pouco o sal, por uma ou duas horas. Em seguida, troquei a água e acrescentei os outros ingredientes, deixando num pode de vidro para curtir na geladeira.

De acordo com ela, as azeitonas começam a ficar boas a partir de 10 dias, e podem ficar na geladeira até 30 dias.

8 de dezembro de 2015

Arroz de Bacalhau a Camões



Meu pai fez este prato num final de semana na praia, na casa do meu irmão. O nome faz referencia ao único olho do poeta português.

Ingredientes:

- Uma xícara de alho porro picado

- Uma xícara de cebola picada

- Meia xícara de azeitonas verdes cortadas em rodelas (deixo de molho para tirar o sal)

- Uma xícara de tomate picado sem pele nem semente

- Três postas de bacalhau, dessalgadas

- Um ovo por pessoa, frito

- Meia xícara de batata palha

- 350 g de arroz basmati pré-cozido

- Sal e pimenta a gosto


Meu pai gosta de deixar o bacalhau mesmo dessalgado mais 24 horas de molho, mas acho isso um pouco exagerado, algumas horas são suficientes.

Começamos cozinhando as postas de bacalhau já dessalgadas no vapor, por 8 minutos. quando esfriar um pouco, quebramos em lascas com a mão e reservamos.

O arroz deve ser pré-cozido (cozinho na água com sal por 9/10 min, e deixo no vapor para não empapar), e deixado um pouco ao dente pois ainda irá ao fogo com o restante dos ingredientes.

Em seguida refogamos no azeite cebola e alho porró, misturamos um a um os outros ingredientes, inclusive o bacalhau, e deixamos para o final a batata palha, após desligarmos o fogo. Acertamos sal e pimenta.

Montamos o arroz nos pratos usando uma argola usada para este fim, e servimos com um ovo frito por cima. Sucesso Garantido.



26 de setembro de 2015

Paella do Dia dos Pais

Comprei um livro da Phaedon sobre Paella incrível, e acabei dando um também para meu pai, no dia dos pais. E aproveitamos o evento para botar algumas idéias do livro em prática, em especial como se usar o açafrão em pistilos (como que em estado bruto), que nunca havia conseguido fazer com êxito. Segundo o autor do livro, o Chef Alberto Herraiz, temos que torrar os pistilos por um ou dois minutos, em um forninho (uso o meu na função "Toast") até que ele fique quebradiço, sem perder a cor original (se isso acontecer passamos do ponto e queimamos a matéria prima tão preciosa). Em seguida moemos os pistilos com um pilão. Isso realmente muda totalmente o gosto da Paella, e valeu pelo livro. No almoço, aproveitei e usai uma "paellera" linda que meu pai havia me dado de aniversário.

Ingredientes (para 6 pessoas)

- 3 camarões grandes por pessoa, limpos e com rabo (reservar as cascas para o caldo)
- 1,5 kg de lulas limpas
- 500g de arroz bomba espanhol (a venda por exemplo no Santa Luzia)
- 1 pimentão vermelho assado no forno, pele retirada e cortado em tiras
- 1 xícara de cebola picada
- 2 dentes de alho bem picados
- Uma pitada de cravo da india moido (como faz minha amiga Imma Duran)
- 2 xícaras de tomate picado, sem sementes e sem casca
- 1 pacote de tempero para paella "Paellera Carmencita"(também a venda no Santa Luzia)
- Uma taça de vinho branco
- 2 litros de caldo de vegetais cozido por 30 min com as cascas e as cabeças dos camarões

Utensílios necessários

- Uma paellera
- Papel aluminio (de preferencia de tamanho grande)

O personagem principal deste prato, como muitas vezes acontece com "arroces" espanhóis e risotos, é o caldo. faço caldo de vegetais em casa, mas podemos compra-lo pronto ou utilizar caldo de peixe. O cozimento com as cascas e cabeças de camarão dá um certo trabalho, pois temos que ficar limpando as impurezas que sobem a superfície comum espátula. Mas o resultado é muito diferente sem estas etapas. Finalizo com meio pacote de tempero para paella, que dá uma cor bonita. Quando iniciarmos o prato, o caldo deve estar pronto e fervendo, em fogo baixo.

Gosto de preparas as lulas e os camarões separadamente, para não correr o risco de errar o ponto. Assim, deixando a paellera no fogo bem alto, coloco azeite e alho por alguns segundos e coloco as lulas, já temperadas com sal e pimenta. Reservar as Lulas num recipiente tampado e refogar os camarões, colocando na mesma panela um pouco mais de azeite. Quando estiver quase no ponto, reservar de deixar junto com as lulas, tampado.

Colocar mais azeite na mesma panela, refogar a cebola, cerca de 3 min, colocar o arroz, e fritar por 1 ou 2 minutos. jogara taça de vinho e mexer, como que num risoto. Colocar algumas conchas de caldo e ir mexendo, cerca de 5 min. Colocar o tomate e mais caldo, sempre mexendo para o caldo incorporar. colocar o cravo e o açafrão, e misturar. Quando o arroz estiver semi cozido, mas ainda duro, misturar a lula e os camarões, baixar o fogo, colocar o restante do caldo (6 a 8 conchas), e vedar com alumínio. Isso vai fazer com que o arroz cozinhe por inteiro, no vapor, Aguardar cerca de 11 min e desligar o fogo. Colocar azeite e servir.












13 de abril de 2015

Homus

Fiz esta receita com meu sogro num final de semana que ele veio a SP. Como a receita rende bastante, congelamos metade da pasta (antes de temperar com azeite), e o resultado foi muito bom.

Ingredientes

- 300 gramas de grão de bico seco
- 4 dentes de alho, miolo retirado
- Meia xícara de tahine temperada (bater a pasta com água gelada, sal e 1 limão)
- 1 colher de café de cuminho em pó
- 1 colher de café de paprica doce
- Meia xícara de salsinha picada

Coloque o grão-de-bico numa tigela e cubra com água. Deixe de molho por no mínimo 4 horas. 
Escorra a água do molho e transfira os grãos para uma panela grande. Cubra os grãos com 1 litro de água.

Leve a panela ao fogo alto e deixe cozinhar por 45 minutos ou até ficar macio. Quando o grão-de-bico estiver cozido, retire do fogo. Escorra metade da água, e reserve o restante. Uma parte dela será usada para bater os grãos.

Retire as cascas dos grãos com as mãos e descarte.

No processador de alimentos, bata o grão-de-bico descascado, o alho, e o tahine já temperado com sal e limão (ver receita no blog). Acrescente também a páprica e o cuminho. Tempere com sal e uma pitada de pimenta-do-reino. Adicione a água do cozimento aos poucos e bata até obter uma pasta homogênea.

Retire o homus do processador, coloque num prato. Acrescente azeite sobre a pasta ou decore com páprica e salsinha picada na hora. Sirva com pão sírio.




21 de janeiro de 2015

Moqueca de Peixe Revisitada

Meu pai adaptou uma receita de moqueca que ele faz como ninguém, para um prato mais leve, somente de peixe, e finalizado no forno. Fizemos juntos esta receita na casa de nossos amigos Ana e Ary, na praia da Baleia, no réveillon de 2015.

Ingredientes para 6 pessoas

- 1 robalo de cerca de 2,5 kg, limpo e cortado em filés

- 2 cebolas grandes picadas

- 1 alho porró picado

- ½ kg de tomates, cortados em cubos e sem sementes

- 1 vidro de leite de coco

- 1 colher de sopa de azeite de dendê para a farofa

- 4 limões

- 1 xícara de salsinha picada

- 1 xícara de coentro picado para servir a parte

- Farofa de Mandioca refogada com alho, azeite e óleo de dendê

- Arroz branco

Cortar o peixe em tiras diagonais de cerca de 6/8 cm, dependendo da espessura do peixe. Temperar com sal, pimenta e limão. Refogar numa caçarola com azeite  e óleo de dendê a cebola, o alho porró, e em seguida os tomates, por cerca de 15 min. Colocar o leite de coco e o suco de 1 limão, a salsinha picada e acertar sal/pimenta. Colocar um pouco de água, se necessário, e reduzir até ficar um molho relativamente homogêneo. Reservar.

Colocar em pratos refratários um pouco do molho, colocar o peixe e cobrir com amais molho, levando ao forno pré-aquecido a 180C. Assar por cerca de 20 minutos, ou até o peixe ficar firme. É importante não passar do ponto, deixando o peixe muito duro.


Servir com farofa de dendê (ver receita em “Moqueca do Mi”), arroz branco e coentro picado, para quem curte. Uso sempre Farofa Deusa.

19 de janeiro de 2015

Notas de Roma


Roma é uma festa para os paladares, com comidas simples e sempre muito saborosas. Os vinhos, também, são sempre uma atração a parte. Fomos com nossos filhos e ficamos 5 dias, mas indo embora com dor no coração.

Otello – restaurante muito simples e muito bom, onde fomos almoçar logo que chegamos em roma. Comi um cordeiro assado no forno, e a Pat, uma ótima massa ao sugo. Recomendo também a Vitela milanesa, que meu filho comeu inteira.

I Due Ladroni – restaurante de frutos do mar, comida realmente ótima. Fomos à noite, não estava muito cheio. Comi uma massa com pequenos polvinhos, excelente. Pena que não deu para pedir mais pratos, tudo parece bom.

Piperno – Restaurante na “Juderia”, uma bairro onde se concentravam os judeus da cidade (se der tempo valo visitar a sinagoga).  Tem uma famosa Alcachofra a la Judia, e um carbonara excelente (foto). O lugar parece ser uma unanimidade, quase todos que pedi dicas, entreitalianos e brasileiros, indicaram o Piperno.

Nino – Tradicional, caseiro, pertinho da Piazza di Spagna, minha mão sempre vai lá. Ótimo para almoçar, apesar de termos ido a noite e ele estar bem cheio.

Dal Moro – cara de cantina, mas com boa comida, também boa opção para almoço.

Hostaria da Pietro- comemos muito bem lá, serviço muito atencioso. Espaguete ao Vongole excelente, flor de zuca, alcachofra, massas boas, gostamos muito. Diria que foi um dos meus favoritos.

Giolitti – Sorvete famoso, filas sempre grandes. Varias opções de sorvetes sem lactose.

25 de novembro de 2014

Cocada de Forno da Joyce

Comemos esta receita pela primeira vez na casa de minha Tia Dora, no aniversário dela, e adoramos.

Ingredientes:

- 1 coco ralado fresco ( 300 gramas)

- 500 ml de água de coco

- 2 colheres de sopa de manteiga

- 3 xícaras de açúcar cristal

- 3 ovos

Em uma panela coloque a água de coco com o açúcar e deixe ferver até formar uma calda em ponto de fio grossa. Após acrescente o coco e manteiga e mexa bem. Desligue o forno e transfira para um refratário untado e forrado com papel manteiga também untado. Leve ao forno alto a 200 graus por aproximadamente 50 minutos ou até estar bem dourada.
Corte e sirva em pedaços acompanhada com uma bola de sorvete da sua preferência.

Bolo de Maracujá sem Leite

Fomos no feriado para a Fazenda Catuçaba, que é um lugar incrível, muito charmoso, e que tem uma comida bem tipica da fazenda. Na hora do chá, descobri um bolo de maracujá feito sem leite, que comi o feriado todo, muito bom. Acabei resolvendo ligar pra lá apos alguns dias, para pegar a receita.

Ingredientes:

- 1 copo de suco de maracujá batido com sementes e depois coado

- 1 xícara de açúcar

- 2 ovos

- 1 xícara de farinha de trigo

- 1/2 xícara de óleo

- 1 colher de sopa rasa de Fermento Royal

Bater os ingredientes no liquidificador, a exceção da farinha e do fermento. Quanto estiver bem homogêneo, acrescentar a farinha. Incorporar o fermento por último. Colocar no forno em uma forma untada por 30 a 40 min, dependendo do forno.

31 de julho de 2014

Notas de Londres 2



Após 15 dias em Londres, além de revisitar alguns de nossos lugares favoritos e ver como continuam ótimos, conseguimos explorar e descobrir alguns lugares que entram daqui para frente em nossos roteiros da cidade. Desta vez fomos com nossos filhos, que nos acompanharam em todos os lugares, o que nunca foi um problema pois Londres é sem dúvida o lugar mais “child friendly” que eu conheço. Sempre educados, sempre tentando facilitar e agradar. Poderíamos ter ficado lá fácil mais 15 dias...

Pela ordem do que mais curti desta vez:

The Ivy – Já havíamos ido lá da outra vez, e estava novamente excelente. Lugar muito tradicional, do Theater District, e aberto sempre até tarde. Chegamos 11h e jantamos muito bem. Comi vieiras, e a Pat, o famoso Sheppard’s Pie. Hamburger também muito bom. Boa variedade de maltes no bar.

La Petite Maison – Restaurante muito badalado, com comida excelente, em Mayfair. Comi um cordeiro incrível, e varias entradinhas, todas ótimas.


River Café – Outro de nossos favoritos. Ótimo Negrone para começar, e uma comida super simples e com muito sabor.


La Famiglia – Uma surpresa ótima, italiano bem casual mas com uma comida excelente. Comi um risoto de lulas e acabei comento o meu e o do meu filho, e fiquei com vontade de voltar no final da viagem.

The Magazine – Restaurante com viés japonês em uma das galerias Serpentine (Sackler), no Kensington Park. Projeto lindo da Zaha Hadid, programa ótimo para o almoço.

Comptoir Libannais – uma rede que não conhecíamos e descobrimos por acaso, comida muito boa e lugar muito animado. Uma perto da Saatchi, outra ao lado da estação South Kengsinton.

Bluebird Café  - Lugar bem legal com loja, café ao ar livre e mercadinho, na Kings Road. Bom hambúrguer e boas saladas, bem legal.

Portobello – Pizzaria pequenininha em Notting Hill. Servem pizza por metro, bem diferente.

Outras coisas que não podem deixar de aparecer na lista:

Café e Doces do V&A – A comida na verdade não é boa, mas o jardim interno e os doces, café, tudo é incrível no Victoria& Albert. Sem duvida um dos meus lugares favoritos em Londres.

Café Lido – Um dos lugares mais charmosos pra tomar um café ou uma taça de vinho no Hyde Park, de frente pro lado. Servem café da manhã.

Borough Market  - Lugar que todos acabam indo e com 1000 opções de barraquinhas com comidas típicas, muito legal pra ir almoçar.

Patisserie des Rêves - Filial da francesa, com um Saint Honoré imperdível. Perto da estação South Kensington.


Harrods – “Food court” incrível, vale a pena experimentar algumas das opções num almoço e comprar algumas comidas também.






29 de julho de 2014

Gravlax


Esta é uma receita muito versátil, e uma vez feita pode ficar vários dias na geladeira. Esta versão foi feita pela tia da Pat, que se inspirou no Gravlax feito pelo Jamie Oliver.

Ingredientes:

- Um pedaço de salmão com ou sem pele de 400 g

- 8 colheres de sopa de sal grosso

- 6 colheres de sopa de açúcar mascavo ou similar

- 1 xicara de dill picado

- 1 beterraba ralada

- Zest de 1 limão siciliano

- Suco de 1 limão siciliano

- 1 xicara de creme azedo (opcional)


Misturar numa travessa o sal, o açúcar e o dill. Colocar um pouco da mistura num refratário, e colocar o salmão por cima. Cobrir com a beterraba e o zest de limão. Colocar um filme e cobrir com algum peso (a tia da Pat não coloca o peso). Deixar na geladeira entre 24 e 48 h (testamos com 24 e ficou excelente).  Retirar da geladeira e tirar o sal e temperos. Fatiar bem fino e regar com azeite. Servir com pão e um molho de creme azedo, dill e limão siciliano. Para guardar, cobrir com filme (antes de cortar)